Make your own free website on Tripod.com
CONSCIÊNCIA CÓSMICA

CONSCIÊNCIA CÓSMICA

 

Abelardo Domene Pedroga

 

         A frota estava preparada, nunca desde o dia que os antigos chamaram de " DIA DA CONSCIÊNCIA " havíamos preparado uma frota daquelas, eram mais de 100.000 naves, todo o esforço de nossa raça foi colocada na construção daquela frota.

         Não sei a razão, mas nestes momentos que antecediam a partida a história de meu povo me veio á mente.

         Por milhões de anos fomos obrigados a viver escondidos, sob os subterrâneos, cada vez que um dos nossos se aventurava na superfície era perseguido, sofria ataque de gases tóxicos, era esmagado por seres gigantescos que viviam na superfície de nossa terra.

         Alguns eram capturados e submetidos a experiências terríveis, tinham membros decepados, agora sabemos, diziam os monstros que habitavam a superfície que eram estudos.

         Muito sofremos nas mãos daqueles gigantes, as vezes eles deixavam comida para nossa espécie, quando um dos nossos inadvertidamente comia aquilo adquiria doenças que acabavam com nossos lares, quantas famílias foram dizimadas assim, o que parecia alimento na verdade eram venenos mortais para nós.

         Aqueles gigantes dominavam tudo, perseguiam nossos irmãos também, quantas raças não foram extintas por esses demônios, a perseguição á nossa espécie parecia não Ter fim, nós éramos pacíficos, não sabíamos guerrear, nunca conseguimos matar um só dos gigantes, mesmo quando estávamos em grandes quantidades contra apenas um deles seu poder era imenso, nos aniquilavam com tranqüilidade.

         Aquela raça declarara guerra contra todas as outras espécies conhecidas, e vencia com facilidade, nada parecia impedir seus selvagens atos.

         As vezes irmãos de nossa raça vindos de longe nos contavam que os gigantes haviam dominado tudo, em todo lugar seus ninhos eram encontrados e em cada ninho havia milhares, milhões deles, nunca, nem nos unindo a outras raças poderíamos fazer frente a eles.

         A única coisa que manteve nossa raça foram os subterrâneos e a taxa de fecundidade de nossa fêmeas, não fosse isso já teríamos sucumbido ante a força descomunal daqueles gigantes.

         Por duas vezes no entanto, alguns sábios nos contaram isso, eles, não tendo mais a quem enfrentar, lutaram uns contra os outros, milhões deles morreram, o que poderia ser a redenção de todas as espécies foi um sonho, logo eles acabaram seus   conflitos e novamente voltaram sua atenção para as nós.

         Então aconteceu, estávamos na metade do 2 milênio quando um fato inusitado nos salvou, primeiro, consta nos nossos registros, um calor insuportável se fez sentir, a temperatura aumentou bruscamente, depois o clarão, uma luz muito forte, ela não vinha do Sol, nem da Lua era como se a terra esquentasse por ela mesmo, nossos ancestrais viram bolas de fogo enormes surgindo da terra, pareciam com cogumelos, uma planta comestível que hoje não existe mais, um forte vento se fez sentir em todos os cantos. Somente escapamos por vivermos nos subterrâneos, naquele dia algo mudou em nossa raça, daquele dia em diante alguns dos nossos nasceram diferentes, mais ativos, nasciam com cores diferentes, até que um padrão começou a ser mantido, nascíamos totalmente brancos, olhos vermelhos, antenas maiores, enquanto isso acontecia vivíamos a "grande noite", sim depois daquele dia estranho o Sol demorou a aparecer, muitas dezenas de ano se passaram.

         Os novos membros de nossa raça desenvolveram capacidades não inerentes a nossa espécie, conseguiam andar sobre duas pernas, quando o normal eram seis pernas, com as quatro pernas que não tocavam o solo faziam coisas estranhas, seguravam objetos, comida, isso nunca fora conseguido pelos nossos.

         Os brancos foram se reproduzindo, nossa velha raça foi se modificando, a curiosidade nata dos brancos os fez vir á superfície, o que encontraram foi assustador.

         A raça dos gigantes não existia mais, seus ninhos estavam destruídos, as espécies aliadas dos mesmos vagavam sem rumo pelas imensidões de entulhos e poeira, descobrimos muita comida, um período de paz e prosperidade nos abençoou.

         Logo os últimos de nós que não eram totalmente brancos pereceram, nossa raça, de alguma forma modificada, iniciou a exploração daquela superfície que por milhões de anos nos foi proibida.

         Sábios surgiram, eles começaram a desenvolver aparelhos novos, nunca havíamos precisado de aparelhos antes, mas os sábios achavam que mudaria nosso modo de vida, eles estavam certos.

         Desenvolvemos a escrita, outra invenção que desconhecíamos, assim como a roda, alimento não era problema, naquele mundo de entulhos deixados pelos gigantes achamos comida suficiente para alimentar dez vezes nosso número.

         Alguns dos nossos sábios foram viajar para outros locais, verificar se os gigantes realmente não existiam mais, quando voltavam nos informavam que realmente estávamos em paz, nossos irmãos de outros lugares também se desenvolviam como nós.

         Milhares de anos de desenvolvimento, limpamos o entulhos daqueles monstros, reorganizamos o mundo e nos tornamos donos dele, até que alguns sábios, que teimavam em estudar a cultura dos gigantes conseguiram traduzir a linguagem deles.

         O que descobrimos foi assustador. Uma frota de naves havia deixado aquele planeta antes da destruição, antes do início da "grande noite ", então ainda corríamos perigo.

         Os sábios entendendo a linguagem deles descobriram sua ciência, extremamente desenvolvida, novas maravilhas foram apresentadas aos nossos, nossas colônias se desenvolviam, sem termos a quem temer nos apossamos de tudo.

         Mas aquela espada de Dêmocles não nos deixava totalmente felizes, algum dia eles poderiam voltar e novamente as trevas e a escuridão baixariam sobre nossa raça, esse mal tinha de ser afastado.

         Os sábios e cientistas finalmente conseguiram fabricar naves para podemos       explorar o espaço, nossa raça tinha asas, mas após a " grande noite " essas asas foram desaparecendo, agora nenhum de nós possuía esse órgão, então para voar precisávamos de outros aparelhos, neste ponto a tecnologia dos gigantes era muito desenvolvida, aparelhos chamados dirigíveis e outros chamados aviões em diversos tamanhos e tipos eram construídos pelos nossos.

         Então quando iniciamos a exploração do espaço o sinal de alerta, tantas vezes temido foi aceso, no satélite de nosso mundo foi descoberta uma gigantesca colônia dos gigantes.

         O temor se apossou de todos nós, e se eles resolvessem voltar ao nosso mundo, reclamar novamente o que já fora seu?

         O Conselho Supremo da raça foi reunido, decisões importantes tinham de ser tomadas, após muitas ponderações foi decidido que uma arma que nossos sábios haviam descoberto utilizando a tecnologia dos gigantes, eram chamadas de arma final, outros livros traduzidos davam o nome de bombas.

         O nome não interessava, a arma foi fabricada e testada, o resultado foi assustador, pelos livros antigos soubemos que aquelas armas é que foram as responsáveis pela "grande noite", somente ela podia destruir os gigantes.

         A construção da frota foi iniciada, precisávamos construir uma frota gigantesca, cada nave seria equipada com uma daquelas armas, deveríamos sobrevoar o ninho dos gigantes e despejar nossa carga mortífera, o perigo tinha de ser destruído.

         Anos se passaram, cada dia era mais perigoso que o anterior, mas finalmente o esforço conjunto de toda uma raça apareceu, 100.000 naves estavam construídas e equipadas com armas.

         Alguns sábios foram contra essa idéia, mas foram votos vencidos, uma frase descoberta em um antigo livro dos gigantes era seu argumento para não concordarem com a idéia do Conselho.

         Chegou o grande dia, de todos os locais do planeta a frota se ergueu, eu era o comandante de uma das divisões, o vôo até o satélite demorou 10 dias, muitas naves se perderam ou foram avariadas por montanhas que vagavam pelo espaço, mas essas perdas haviam sido calculadas.

         Quando estávamos chegando á base dos gigantes uma luta feroz se iniciou, os gigantes fizeram erguer sua frota, muito menor que a nossa, mas muito bem armada, a batalha que se seguiu foi violenta, milhares dos nossos pereceram, mas finalmente batemos a frota dos monstros e seguimos resolutos em direção ao ninho deles. Nova resistência se fez sentir, eles tinham baterias espalhadas em locais estratégicos, mas também vencemos essa resistência.

         Afinal despejamos nossa carga mortífera sobre os gigantes, a destruição da base deles foi total, nossa vitória nos alegrou, se bem que 95.000 naves haviam sido destruídas neste combate. Finda a destruição do ninho deles alguns de nossos irmãos pousaram suas naves nas proximidades, e finalmente tivemos a certeza, os monstros, os gigantes que durante milhões de anos haviam nos submetido ás mais atrozes humilhações, haviam nos perseguido e matado milhões, senão bilhões de nossos iguais estavam finalmente extintos.

         A frota retornou triunfante, poucos haviam sobrevivido, mas a vitória era nossa, somente aqueles sábios que por algum motivo tinham ido contra essa batalha não se demonstravam tão alegres.

         O motivo fora simples, uma frase traduzida dera a esses sábios o motivo de sua recusa em apoiar o Conselho, a frase dizia:

".....se algum dia a espécie humana for extinta, o mundo será conquistado pelas baratas...".